Mais um novo museu no Brasil

Vista parcial da Chapada do Araripe a partir d...

Image via Wikipedia

Fundação SOS Chapa do Araripe articula criação do Museu de História Natural

Um espaço que pretende revelar uma das mais belas regiões do Ceará em suas mais diversas nuances. Dentro do projeto Trilhas do Cariri, da Fundação SOS Chapada do Araripe, os primeiros passos para a criação do Museu de História Natural estão sendo dados.

A proposta de interatividade do equipamento com os turistas e moradores da região vem ganhando fôlego e projeto executivo, que está sendo executado por museólogas. O projeto será apresentado no próximo dia 22 de março, Dia Mundial das Florestas, na cidade de Barbalha. Nesse mesmo dia acontece a premiação do prêmio Ambientalistas do Ano.

O espaço funcionará como um ecomuseu, conforme o presidente da Fundação SOS Chapada do Araripe, o biólogo Maurício Freire, que já atua com outros projetos relacionados à biodiversidade regional, por meio da entidade. “A nossa pretensão é envolver todas as dimensões relacionadas ao ecossistema da região”, explica.

Atrativos naturais

O local para a implantação do Museu da Chapada é o Sítio Pinheiro, numa área plana e alta, de onde pode contemplar, em meio ao verde da vegetação, todo o contexto regional. “O objetivo principal do projeto é produzir coleções da fauna e flora de espécies que ocorrem atualmente na região do Cariri cearense, que certamente contribuirão para o desenvolvimento de atividades de pesquisa e educação, especialmente a ambiental”, observa o biólogo.

A pretensão é ir além do que se pode imaginar em termos de formatação de museu. Essa é a grande proposta para a instalação do que também será o primeiro museu de Barbalha, que tem em seu centro urbano um dos acervos arquitetônicos mais bem preservados do Cariri e está inserida no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas do Brasil.

O espaço no Sítio Pinheiros, localizado no Distrito do Caldas, é, atualmente, uma das grandes atrações em termos de hospedagem em área natural da Chapada do Araripe, e se tornou um dos atrativos turísticos da região. Uma área foi cedida para a construção do museu pelo seu proprietário, Renato Pinheiro. Ele destaca a importância da valorização desses atrativos naturais e do processo de conscientização e educação, para que tal patrimônio seja preservado para gerações futuras.

Segundo o presidente da SOS Chapada do Araripe, o espaço cedido será totalmente regularizado, no sentido de buscar apoio dos ministérios do Turismo e do Meio Ambiente, tão logo sejam destinados recursos para a construção da obra.

“O projeto insere a fauna, a flora, cultura regional, estudos científicos, a questão da pesca, animais que hoje estão em risco de extinção, como o pássaro Soldadinho-do-Araripe, a riqueza paleontológica, arqueológica, dentre outros aspectos”, diz ele. Os animais mortos que forem encontrados serão empalhados e passarão a compor o acervo.

Maurício Freire ainda não tem uma noção exata de quanto será investido, já que todo o acervo também será adquirido por meio da verba a ser destinada pelos poderes públicos e iniciativa privada. “Aos poucos podemos ir compondo esse espaço, para que se torne um dos grandes atrativos, e não só isso, mas principalmente um local onde possa ser repassada a educação e a conscientização de como preservar esse grande patrimônio natural”, salienta.

Ambiente e cultura

A história da flora da região, com exposição das árvores nativas e exemplares fotográficos, será contada para o público. Uma delas é a fruta típica do caririense, o pequi, que por esta época faz a festa gastronômica na região. E desta planta, podem ser incluídas as questões relacionadas à preservação da árvore até o seu envolvimento no contexto cultural do morador da Chapada.

Essa trajetória de conhecimento vai desde os catadores de pequi, que se instalam por quase um semestre do ano, na Serra do Araripe, para colher o produto e comercializar, ao valor proteico do fruto, com os estudos científicos, inserção na economia, dentre outros aspectos. E não só o pequi, mas também espécies, como o jatobá, a aroeira, dentre outros, serão de conhecimento do público.

MAIS INFORMAÇÕES

Fundação SOS Chapada do Araripe em Barbalha (CE)

Rodovia Estadual CE-060 – Km 7

Sítio Pinheiros/ (88) 9271.1979

VER, TOCAR, SENTIR
Proposta envolve interação com peças

O espaço integrado contará com área educativa, para que os visitantes não só toquem o que virem pela frente, mas para que vivam e sintam a história natural em sua integralidade. “A marca do museu vivo é de que é proibido não tocar”, ressalta Maurício Freire, presidente da Fundação SOS Chapada do Araripe.

A proposta da entidade está sendo aprimorada pelas museólogas, após a visita do espaço onde será construído o equipamento. O projeto executivo está em fase de finalização. O Museu de História Natural da Chapada do Araripe estará situado dentro da área de visibilidade mundial, que é hoje o Geopark Araripe.

Já que se fala em educação, o presidente da fundação destaca a importância de manter o lúdico presente no espaço. Para ao biólogo, a referência de uma área, que inclui a Floresta Nacional do Araripe, como a primeira a ser reconhecida por decreto lei, deve ser adquirida desde a mais tenra idade, com todos os valores e mistérios contidos na sua beleza natural.

A parceria para a instalação do projeto não está restrita apenas ao poder público. Maurício Freire afirma que manterá contato com órgãos como a Federação das Indústrias do Ceará (Fiec) para apresentar e pedir apoio ao projeto. Ele destaca a importância do reconhecimento desse setor para o processo de preservação das áreas verdes do Estado, e consequentemente das espécies animais, além da qualidade de vida do cidadão. “Teremos um traço antropológico e ecológico, e será o primeiro do Cariri com essas dimensões a que nos propomos”, diz ele.

A responsável pelo projeto executivo do museu será a professora Sílvia Regina Gonzáles, que, segundo Maurício, possui experiência internacional na área. Sílvia Regina é graduada em Educação Artística pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Tem atuado na área de preservação do patrimônio cultural material e imaterial ao longo de 23 anos, nos Estados de Pernambuco, Minas Gerais e Paraíba.

Foi diretora executiva do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (IPHAEP), de 2005 a 2008, quando implantou uma Política para Preservação do Patrimônio Cultural Material e Imaterial. Também iniciou uma política específica e inédita para os museus paraibanos e representou o Estado na elaboração do Plano Nacional de Museus.

Maurício Freire destaca a experiência da responsável pelo projeto no âmbito internacional, quando esteve na direção do IPHAEP e desenvolveu um programa de intercâmbio técnico-científico com o Governo da Espanha para atuação na revitalização e requalificação de centros históricos, de gestão museográfica e cultural.

Elizângela Santos
Repórter

fonte: Diário do Nordeste

Sobre maniamuseu

Maníaco por museus de todo mundo. Eles trazem a história, o futuro, o diferente e a cultura. Entretenimento e educação. Viaje em maniamuseu.
Esse post foi publicado em Museus das Américas, Museus do Brasil e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s