Exposição – Atlas – Hilal Sami Hilal

home

Atlas – Hilal Sami Hilal
De 08/08/2010 até 24/10/2010 

Biblioteca, 1990/2003
Cobre
coleção do artista
Fotografia de Edson Chagas
Biblioteca, 1990/2003
Cobre
coleção do artista
Fotografia de Edson Chagas
Seu Sami, 2007
Cobre
63.5 x 48.5 x 3.5 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Nomes, 2003/2004
Cobre
35 x 29.5 x 3 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Empilhado, 2003/2007
Cobre
17 x 15 x 6 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Detonados, 2000
Cobre
29 x 24 x 2 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Pátria, 2010
Cobre
40 x 28 x 2 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Norte, 2010
Cobre
28.5 x 28 x 2 cm
coleção particular
Fotografia Edson Chagas
Humano, 2010
Cobre
29 x 27 x 2 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Sem título, 2000
latão e cola quente
32 x 29 cm x 2 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Livro da dor, 2007
Cobre
43 x 48 x 3 cm
coleção particular
Fotografia Vicente de Mello
Caderno, 2009
Cobre, cola e papel
63 x 48,5 cm
coleção do artista
Fotografia Sérgio Guerini
Livro do amor, 2008
Alumínio
64 x 42,5 x 2,5 cm
coleção Regina Pinho Almeida
Fotografia Sérgio Guerini
Saturno, 2003/2007
Cobre
14.5 cm
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
Fotogramas, 2010
Monotipia
Tínta vinílica e pigmentos sobre alumínio
39,5 x 60 cm (cada)
coleção do artista
Fotografia Edson Chagas
“Escrever / desenhar’ – a etimologia do termo grego graphein o diz bem – são uma única e a mesma coisa. O desenho é uma magia porque representa: preserva a memória não das palavras mas do ‘rumor anterior às palavras’, da força dos seres e das coisas, ele carrega a marca do nosso corpo.”
ANNE SALI, em L’aventure des écritures. 

É um privilégio para o Museu Lasar Segall ser o primeiro em São Paulo a organizar uma exposição individual do artista capixaba Hilal Sami Hilal. Embora nossa vocação, do ponto de vista cronológico, seja a de expor obras da primeira metade do século XX, que, de alguma maneira, dialoguem com o expressionismo, também estabelecemos interlocuções com a arte contemporânea.

Sob o título Atlas, peça-chave da mostra, o leitor do catálogo ou o espectador das obras apresentadas poderá desconfiar que está diante de duas exposições: na primeira sala, o enorme álbum (0,90 x 2,80 m, em formato de livro aberto) de paisagens, que dialogam com as doze monotipias que vestem as paredes do espaço expositivo. Na sala menor, uma seleção de objetos, em cobre e alumínio, que obedecem à mesma técnica de pranchas de metal corroídas por ácido. Aparentemente distanciados, os dois suportes, folhas de papel de algodão e lâminas de cobre ou alumínio, complementam-se como conceito por meio da ideia do livro que reúne a imagem e a letra. As paisagens do Atlas, somadas à coleção de livros metálicos, conduzem a uma representação do mundo como biblioteca – tema eminentemente borgeano. Aliás, o único livro de viagens, feito a quatro mãos por Jorge Luis Borges e por María Kodama, traz o mesmo título Atlas.

O formato gigantesco do álbum reflete uma paisagem do mundo com 62 variantes cromáticas, que são as sucessivas páginas pintadas em papel de algodão. Quase visões, elas parecem brumas oníricas, “Turners que não são Turner”, na comparação de Aracy Amaral. Os “livros” em cobre surpreendem sobremaneira. Em um primeiro momento, pode-se pensar que se trata de uma trama rendilhada de arabescos, ou de uma superfície que se aproxima da filigrana, ou de uma caligrafia cujo desenho labiríntico aos poucos vai revelando alfabetos, letras, palavras. O próprio nome do artista, Hilal Sami Hilal, de ascendência síria, causa estranheza em sua simetria sonora e vocabular, como se fosse um palíndromo, evocando os vaivéns de suas próprias formas sinuosas. A ideia da sucessão das paisagens e da álgebra vocabular desenhada nas pranchas em cobre desdobra-se no conceito de repetição e de variantes que apontam para o infinito.

A ascendência oriental do artista o insere na tradição da palavra grafada; pois, como sabemos, o deus egípcio Toth foi o inventor da escrita, dos hieróglifos, secretário-arquivista dos deuses. A escrita que garantiu para a humanidade o registro da história e o exercício da memória. Hilal Sami Hilal oferece-nos, nesta exposição, possibilidades de leitura que oscilam entre o infinito e aquilo que Aracy Amaral – autora do artigo introdutório do catálogo – denomina “margem paragem paisagem miragem”.

Jorge Schwartz e Marcelo Monzani
Diretores

Serviço
Concepção e organização: Jorge Schwartz e Marcelo Monzani
Texto do catálogo: Aracy Amaral
Abertura: 8 de agosto de 2010, sábado
Exposição: de 8 de agosto a 24 de outubro de 2010
Horário: de terça a sábado e feriados das 14h às 19h;
domingos das 14h às 18h

Saiba mais
Leia o texto de Aracy Amaral Leia o texto de Aracy Amaral

Sobre maniamuseu

Maníaco por museus de todo mundo. Eles trazem a história, o futuro, o diferente e a cultura. Entretenimento e educação. Viaje em maniamuseu.
Esse post foi publicado em Arte Contemporânea, Museus do Brasil e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s