Museu com Àlbum de Figurinha e Bonde?

Conheça este museu que possui uma proposta diferente…

… de interagir e contar como se deu a origem da capital do estado de Minas Gerais. O Museu Abílio Barreto já fez até um álbum de figurinhas com imagens do acervo e de quebra contou a história de Belo Horizonte.

Além de acervo estático várias e exposições e eventos culturais acontecem. Excelente opção para família, casais e loucos p0or museu é claro.

Um pouco mais do museu para você:
Acervo
Como museu da cidade de Belo Horizonte, o MHAB tem por função recolher e preservar itens que contribuam para a compreensão da dinâmica sócio-histórica de Belo Horizonte. Esse conjunto de itens constitui um texto múltiplo e revelador dos vários sentidos e trajetórias da cidade e de seus cidadãos. São documentos textuais, iconográficos, bidimensionais e tridimensionais referentes às origens, formação e desenvolvimento de Belo Horizonte. Considerando os diferentes suportes, estão organizados em quatro grandes categorias: Objetos, Textual e Iconográfico, Fotográfico e Bibliográfico.

>> Objetos
Além do próprio Casarão oitocentista, compõe-se de numerosa pinacoteca, esculturas, objetos decorativos, fragmentos construtivos originários de prédios públicos e privados demolidos, mobiliário, vestuário, utensílios domésticos e de uso pessoal, objetos de iluminação e de transporte, equipamentos e instrumentos de trabalho. Enfim, um rico conjunto que permite investigar e interpretar a história da cidade. Formado por aproximadamente 1.100 objetos.

>> Fotográfico
Negativos em acetato e vidro, cópias em papel e material digital suportam imagens fotográficas, datáveis de 1894 até anos recentes. Este acervo registra o desenvolvimento urbano e testemunha eventos, costumes e tradições de Belo Horizonte. Engloba em torno de 20.000 itens.

>> Textual e Iconográfico
Informações sobre suporte-papel: textos manuscritos e impressos, mapas, plantas e projetos arquitetônicos. Destacam-se a Coleção Comissão Construtora da Nova Capital, o Arquivo Privado de Abílio Barreto e o Arquivo Administrativo da instituição. Reúne cerca de 16.500 documentos.

>> Bibliográfico
Composto de livros, periódicos, catálogos, fitas de vídeo, dissertações e recortes de jornais, tendo a história de Belo Horizonte como principal temática e outros temas ligados à história de Minas Gerais e do Brasil, além de obras relacionadas às áreas de conhecimento em Museologia, Arquivologia e Fotografia. Reúne aproximadamente 4.000 exemplares.

>> Acervo Operacional
Além de recolher e preservar os chamados acervos tradicionais, o MHAB também se dedica à preservação dos chamados acervos operacionais. Em termos amplos, acervo operacional pode ser definido como o tratamento museológico de paisagens, estruturas, monumentos e equipamentos, que, embora plenamente contextualizados – ou seja, ainda totalmente funcionais – são tornados, por decisão institucional, objetos musealizados e incorporados ao acervo. Ao contrário dos acervos tradicionais, essa ação se faz pela via do levantamento e sistematização de informações.

>> Política de Aquisição de Acervo
O acervo preservado no MHAB mantém-se em constante expansão e desenvolvimento por intermédio de sua política de acervos. Esta política, coordenada pela Comissão Permanente de Política de Acervos – CPPA, é formada por um conjunto de ações que visam incorporar artefatos às coleções do MHAB, preservando-os na própria Instituição e mesmo fora dela, em outros espaços da cidade, como é o caso dos acervos operacionais.

A LOJA

Os produtos retratam, cada um à sua maneira, um pouco da história de BH!

São livros, catálogos de exposições, álbuns de figurinhas com objetos do acervo, postais, porcelanas pintadas, jogos, gravuras, peças em mosaico, maquetes, CDs e muitos mais. As peças são produzidas pelo MHAB ou consignadas por artistas mineiros.

Com qualidade e riqueza de detalhes, as obras são ideais para deixar a casa mais bonita, personalizar o escritório, presentear alguém de forma especial ou informar-se sobre a cidade. Além disso, toda a renda proveniente da loja é revertida em ações de melhoria e manutenção do museu.

Faça-nos uma visita!

Localização: Saguão de entrada do Museu Histórico Abílio Barreto
Telefone: (31) 3277.8575
Funcionamento: de terça a sexta, das 9h às 17h. Quinta, das 9h às 21h. Sábados e domingos, das 9h às 13h, e das 13h30 às 17h.

Outra grande pedida é o Café do Museu:

Ambiente pra lá de aconhegante num dos pontos mais agradáveis e históricos da capital mineira. Um café onde tudo começou não tem preço.

Está esperando o quê? Este post vem na sexta para você se organizar para o final de semana.

>> Tel.: 55 31 3342.1268
>> Endereço: Av. Prudente de Morais, 202 – Cidade Jardim | Belo Horizonte / MG

fonte: http://www.amigosdomhab.org.br/

Sobre maniamuseu

Maníaco por museus de todo mundo. Eles trazem a história, o futuro, o diferente e a cultura. Entretenimento e educação. Viaje em maniamuseu.
Esse post foi publicado em Arte Comunicação&Design, Design, História & Arqueologia, Música, Museus do Brasil, Ofícios, Produtos & Artesanatos e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s